01 maio 2007

Factos e falsidades e o custo do Office nas Universidades

Parece que se tornou moda.

No Take Off 2007 existiram acusações infundadas de falsidade relativamente à referência à exigência de utilização de software Microsoft num concurso de empreendorismo - prontamente desmentidas pela audiência, que verificou os ditos factos através da net.

Não tive tanta sorte no evento de sistemas operativos na Universidade Portucalense. Também fui acusado de fazer afirmações falsas quando referi que embora os estudantes tivessem a noção de que o software de Microsoft era gratuito para eles, de facto ele era pago pela Universidade.

Depois desta afirmação estrondosa em público ( "é falso!" ) , fui pela mesma pessoa da Microsoft "esclarecido" de que a Universidade recebia todo o software da Microsoft de graça, ao abrigo do MSDN Aliança Académica, EXCEPTO , e como se pode confirmar, ... o Word, o Excel, o Powerpoint e o Outlook que de facto são pagos - pela Universidade Portucalense e pelas outras.

Portanto, meus caros estudantes universitários, é verdade. A vossa Universidade paga o vosso Office.

Lembro os mais distraídos que o OpenOffice.org é mesmo (mesmo, mesmo) gratuito, e que podem explicar isso ao vosso Centro de Informática.

5 comentários:

David disse...

Mas a questão parece-me que não é saber se o software da Microsoft custa ou não dinheiro, mas sim saber se o software da Microsoft é Livre ou não...

Acho que algo que os alunos das licenciaturas deviam saber é que com software da Microsoft não podem de forma alguma acrescentar ou modificar ou melhorar o código. Para além da parte económica da coisa, acho que cada vez mais é necessário explicar o porquê da importância do software livre.

O Software da Microsoft mesmo que fosse de "graça", continua a ter um custo. O custo da liberdade e quanto esse a Microsoft não pode fazer/dizer nada!

Knitter disse...

Tenho de concordar com o David.
Toda a gente fala no software Open Source como sendo gratuito. Para um utilizador comum essa pode ser a maior e mais notada vantagem, afinal eles não se sentem presos já que para onde quer que vão existe sempre um Word.

Por isso penso que a abordagem a seguir não será a de que o OpenOffice é grátis, que nem é de todo correcta, mas sim que é livre. Isso é que as pessoas têm de compreender.

Software livre tem um custo, que até pode ser elevado, mas oferece a liberdade de escolha e a não dependência dos caprichos/existência de outras empresas/entidades.

pvilela disse...

Têm razão, claro.
Apesar de ser um argumento válido para os informáticos, e não necessariamente para os leigos, que são a maioria dos potenciais utilizadores. Esses estão apenas interessados na utilização, e só mudam quando a qualidade do resultado é melhor do que o que tinham (firefox vs internet explorer)

João Miguel Neves disse...

A parte mais importante já está nos comentários acima. Notas sobre o programa AA:

1) Não é gratuito (embora o preço seja irrisório - abaixo dos $2500 anuais).

2) Não cobre: MS Office, uso comercial, gestão de sistemas e trabalho administrativo. Para todos estes casos são necessárias licenças comerciais.

3) Existe um custo de manter todos os dados necessários (ex: a listagem de todas as pessoas a quem chaves de produtos foram distribuídos e quais as chaves, e disponibilizar essa informação à Microsoft a pedido).

Fonte: http://msdn2.microsoft.com/en-us/academic/bb250596.aspx

Mário Rodrigues disse...

Sempre achei que o problema foi encarar a Microsoft como um Mega Monopólio a destruir! Sempre me disseram que o segredo é a alma do negócio e, à parte de tudo o que foi dito, concordo com o Software Livre Closed Source! Uma das aplicações que muita muita gente usa é o Acrobat Reader! Completamente livre de ser usado (Eu não uso por opção!) e no entanto ninguém acusa ne m "atira pedras" à Adobe por não liberar o código do Reader ou do Writer! Mais ainda, obrigaram a Microsoft a retirar o método de exportação existente no Office 2007 para PDF mas ela é completamente livre no OpenOffice! Onde queremos a igualdade e abertura? Sinceramente não me parece que isto seja correcto!
Acho que há demasiada gente a viver à custa de software pago e dos serviços a ele adjacentes!
Acho ridículo dar tanto dinheiro por um pc da Apple, por exemplo, e eles cobrarem tanto por ele, já que tem um OS proprietário que está na origem de tanta perfomance!
Já agora abram a fonte do Flash, do Dreamweaver, do Photoshop, do Corel, do Premiére e do Final Cut, o Nuendo, do Cubase e do Nuendo... e vejam quantas pessoas são despedidas... É demasiado complicado para ser feito de um dia para o outro... E para quem pensa que há grandes empresas que fazem muito software open source e livre perguntem-lhes como e quanto pagam aos programadores! Ou será que ler milhares de linhas de código mata a fome e paga as contas no final do mês?... não me parece

Para que fique ciente sou Linux user (Fedora, Ubuntu, Suze e Arch), não gosto de OpenOffice mas adoro o Symphony da IBM e Java!

1abraço!