11 maio 2007

JavaOne 2007 - 10 de Maio - trivia

Estão a querer vencer- nos pelo cansaço. É hoje o 4º e penúltimo dia do JavaOne 2007. Começa a ser para os resistentes. Até o tempo piorou, está enevoado e frio. Mas continuo "cheio de pica" para as sessões que faltam, e cheio de pena das que perdi

São Francisco até uma cidade americana atípica, onde há transportes públicos e as pessoas andam a pé. Mas há uma pressão psicológica sobre os pedestres que me enerva. Nas passagens de peões, entre o verde e o vermelho, começa uma contagem decrescente para o vermelho: 10 9 8 7 6 5 4 ..
Faz de atravessar as ruas uma experiência enervante

Continua o embaraço da escolha das sessões. Acho que já disse que chega a haver 14 em simultâneo.

Escrevo estas notas num Palm - muito mais leve que um portátil - e a bateria do meu tem actualmente a duração de 5 segundos.. (ouvi dizer que tenho 1 novo à minha espera em Lisboa)

Aproveitei para ver o Java Pavillion, um enorme pavilhão a abarrotar de expositores. Estive dentro de um Blackbox, um contentor com 1 datacenter com 8 racks lá dentro, arrefecidos a água Estive também a interagir com o projecto Wonderland, um ambiente colaborativo imersivo (género Second Life), com salas de reuniões e de projectos

Não sendo eu um programador tenho procurado mais as sessões sobre os sistemas - JavaCard, Application Servers, Desktop, Java in TV. Mas este evento é um paraíso para programadores, para os que querem mesmo ver código e como era utilizado. Code Samples abundam A sessão mais técnica sobre o JavaFX Script estava esgotada .

O nome inicial de San Francisco era Yerba Buena. Deve ser por isso que o movimento hippy dos anos 60 se centrou aqui.

Hoje depois das sessões houve o "After Dark" Bash, uma festa em que a estrela foi o campeonato de luta entre robots "Battlebots". Fascinantes, e muito americano, ver robots a tentarem destruir-se uns aos outros. Houve também uma dançarina vestida de metal a produzir faíscas (literalmente) esfregando uma rebarbadora pelo corpo.. Bizarro e fascinante

Amanhã é o último dia..

3 comentários:

ana disse...

aqui (shanghai, china) tb há a contagem decrescente nas passadeiras, mas dá imenso jeito para sabermos se conseguimos atravessar a passadeira antes de lhe deitarmos o pé.

estar a meio de uma estrada quando o sinal fica verde para os carros, isso sim, pode ser complicado...

:)

Gustavo Felisberto disse...

A Yerba Buena quando levemente esmagada e regada com sumo de lima, rum e bastante gelo dá uma bebida fantástica.

É bom avisar que a Yerba Buena é uma planta relativamente parecida com a nossa Hortelã e não com a Cannabis Sativa

pvilela disse...

Talvez na China a contagem decrescente seja mais lenta. Em São Francisco atravessar ruas implica muitas vezes marcha acelerada, o passo normal não dá

E obrigado ao Gustavo pelo esclarecimento sobre a Yerba Buena :-). Vou ver se experimento