30 março 2006

Valor e Valores

Porque se deve escolher software livre em vez de software proprietário ? Pergunta errada. A pergunta certa para um gestor deve ser qual o valor do software que se está a implementar na empresa ou no organismo público e da sua adequação para resolver qualquer necessidade.

Comecemos por aí. Quantas vezes as especificações de empresas privadas ou públicas não são "quero o software da empresa X", ou o "software Y"? Muitas, demasiadas. Espero ver cada vez mais o que já vejo com alguma frequência, as especificação das necessidades e uma abertura franca às respostas diferente do habitual. E que essas respostas sejam avaliadas pelo seu valor - quer monetário, quer em termo de corresponderem às necessidades.
Estas necessidades não devem ser apenas as necessidades funcionais - se o software serve para o que se quer - mas também as não funcionais: O software é fiável? Há suporte real e indemnizações em casa de falhas graves? Há liberdade de mudar de fornecedor? Há suporte em várias plataformas? Tudo isto faz parte do valor do software.

A minha convicção é que a ponderação isenta de todos estes factores - preço, resposta à necessidades funcionais e não funcionais - levaria à adopção de software open-source mais frequentemente do que acontece hoje. Mas não sempre. É difícil ultrapassar com honestidade as ideias pré-formadas. O que importa é antes das escolhas definir critérios de valor. E depois ser coerente. E aqui entramos nos valores.

Para ser honesto tenho que poder avaliar o software independentemente das minhas ideias pré-concebidas. E vou ser claro - tenho uma ideia pré-concebida de que o software desenvolvido segundo uma metodologia open-source tem uma vantagem inerente sobre o software proprietário - pode evoluir muito mais rapidamente no sentido da satisfação dos utilizadores. Da minha satisfação, para colocar a questão de uma forma egoísta. Quer isso dizer que já é superior, hoje? Depende. O Firefox é superior, hoje, ao Internet Explorer. O OpenOffice.org é nalgumas coisas superior e noutras inferior ao MS Office. O Dia é inferior ao Visio. Estou a falar das características funcionais. Se me pagam para fazer a melhor escolha para a minha empresa ou organismo tenho de ter em conta os factores que já referi. E portanto devo estar preparado para escolher software pelas suas qualidades quer seja aberto quer seja fechado.
Mas nas minhas escolhas individuais posso escolher um produto mesmo que considere que ainda não está à altura das alternativas, precisamente para poder ajudar quem me ajuda, para poder contribuir para que um software que me é oferecido gratuitamente possa vir a ser melhor. Estes são os meus valores. Os da entreajuda, e do prazer de fazer cada vez melhor. Não o consigo fazer da mesma maneira com software proprietário e fechado. Os meus valores levam-me ao software aberto. Para mim. E para os que me ouvem.

3 comentários:

Mário Lopes disse...

A+, já que se falam em valores :-)

Gostei muito do artigo. Partilho contigo a visão sobre o Software Livre e qual o destaque que deve merecer. Não é certamente a solução para todos os problemas, mas é para bastantes.

Também gostei da diferenciação empresa vs pessoa. Eu uso, sempre que possível, Software Livre. Mas se tivesse a cargo da escolha de determinado software para uma empresa não me poderia cingir apenas ao facto de ser Software Livre. O que importa é que o Software Livre esteja sempre na mesa aquando da decisão, contrariamente ao que acontecia (e, infelizmente, ainda vai acontecendo) -- "Qual é o software da Microsoft que faz isso?"

Anónimo disse...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

Anónimo disse...

Your site is on top of my favourites - Great work I like it.
»